Zanetti espera que medalha de ouro acabe com preconceito aos ginastas masculinos

Atleta brasileiro quer que deixem de tratar a ginástica artística como um esporte feminino e pede muito mais apoio à modalidade

Marcelo Laguna - enviado iG a Londres | - Atualizada às

Getty Images
Arthur Zanetti mostra a bandeira brasileira após conquistar a medalha de ouro nos Jogos de Londres

O principal desejo de Arthur Zanetti após a inédita conquista desta segunda-feira, quando ganhou a primeira medalha de ouro da história da ginástica artística brasileira, na prova das argolas dos Jogos Olímpicos de Londres, é mudar algo que está enraizado na cultura do próprio país: acabar com o preconceito, mesmo disfarçado, que existe a respeito da ginástica masculina. Para o grande público, trata-se de um esporte estritamente feminino. "Olha nunca ninguém chegou para mim e disse isso, mas sei que existe este preconceito", disse Zanetti, logo após receber sua medalha de ouro.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"A tendência é que, com esta medlaha de ouro, este preconceito vá diminuindo ainda mais. Acho inclusive isso já vem ocorrendo nos últimos anos. O olhar para a ginástica masculina será diferente a partir de agora", disse Zanetti.

Veja também: Arthur Zanetti conquista o ouro, a primeira medalha da ginástica do Brasil

O ginasta brasileiro reconhece que ainda não tem noção da importância que seu feito terá para sua modalidade nos próximos anos, mas espera que isso traga como dividendos muito mais apoio de patrocinadores. "Estamos tendo mais patrocínios de algumas empresas, mas ainda é pouco. Espero que esta minha conquista possa melhorar a condição da ginástica artística de uma forma geral", afirmou Zanetti, de 22 anos, nascido em São Caetano do Sul e que começou no esporte aos sete anos, por indicação de um professor de educação física.

Leia também: Com medalha no peito, Zanetti tenta assimilar feito e fala em "mudar história"

Pessoalmentre, Zanetti sabe que sua vida irá mudar a partir de agora. Afinal, ele passará a conviver com o status de ser um dos poucos campeões olímpicos que o Brasil possuí (com a desta segunda-feira, o Brasil passa a contar com 22 medalhas de ouro na história dos Jogos).

Acompanhe o blog Espírito Olímpico

"Ainda não tenho ideia como vai ser. Dá para imaginar por causa do que ocorre com o Diego, mas ele é bicampeão mundial, tem muita história no esporte e eu estou apenas começando. Só espero que o assédio não seja muito forte porque senão minha namorada irá ficar brava", afirmou Zanetti.

Zanetti beija medalha de ouro em Londres. Foto: APBrasileiro Arthur Zanetti no lugar mais alto do pódio na final das argolas. Foto: Ronald Martinez/Getty ImagesBrasileiro no lugar mais alto do pódio ao lado de chinês e italiano. Foto: AFPZanetti comemora conquista com seu treinador, Marcos Goto. Foto: Ronald Martinez/Getty ImagesZanetti comemora ouro exibindo a bandeira do Brasil. Foto: Getty ImagesZanetti bandeira. Foto: Getty ImagesO primeiro medalhista da ginástica brasileira nos Jogos em sua apresentação nesta segunda. Foto: Getty ImagesZanetti sai das argolas para finalizar a sua apresentação de ouro nas Olimpíadas. Foto: ReutersSérgio Sasaki e Arthur Zanetti na Vila Olímpica. Foto: Valterci Santos/AGIF/COBArthur Zanetti na apresentação que lhe rendeu o ouro nas argolas no Pré-Olímpico. Foto: AFPZanetti foi medalhista de prata no Pan de Guadalajara. Foto: APZanetti conquistou a primeira medalha nas argolas do Brasil em Pans. Foto: APArthur Zanetti foi vice-campeão mundial das argolas. Foto: AFPArthur Zanetti compete na Eslovênia como preparação para as Olimpíadas. Foto: Ricardo Bufolin/divulgação

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG