Brasil reage de novo, vence EUA e conquista o bi olímpico no vôlei feminino

Seleção sul-americana chegou desacreditada aos Jogos Olímpicos, mas reagiu e foi à decisão. Neste sábado, após ter perdido o primeiro set e ter sido colocada novamente em xeque, reagiu e conquistou o segundo ouro no torneio

Marcelo Laguna - enviado iG a Londres | - Atualizada às

O vôlei feminino do Brasil superou mais uma vez o descrédito. A equipe comandada por José Roberto Guimarães havia chegado aos Jogos Olímpicos de Londres 2012 envolta em desconfiança, mas reagiu e foi à decisão. Neste sábado, voltou a ser colocada em xeque ao ser atropelada pelos Estados Unidos no primeiro set. Contudo, mostrou controle emocional, mudou totalmente o panorama do duelo e venceu por 3 sets a 1 para conquistar o segundo ouro olímpico consecutivo.

O que você achou da conquista do vôlei brasileiro? Comente!

Brasileiras fazem festa no alto do pódio após a execução do hino nacional brasileiro. Foto: ReutersFernanda Garay se diverte tirando fotos do time após a conquista do ouro. Foto: ReutersJogadoras e integrantes da comissão técnica do Brasil posam para a foto do título. Foto: Getty ImagesFernanda Garay e Jaqueline comemoram com as medalhas de ouro. Foto: Getty ImagesJogadoras do Brasil inovaram e, em vez de peixinho, comemoraram o título com cambalhota. Foto: ReutersMais um momento da cambalhota de comemoração das meninas do vôlei brasileiro. Foto: ReutersAdenizia e Thaisa após a cambalhota de comemoração do título. Foto: Getty ImagesJogadoras e comissão técnica se reúnem na quadra para rezar após a conquista do ouro. Foto: ReutersFavoritas ao título em Londres, americanas lamentam derrota de virada para o Brasil. Foto: ReutersJosé Roberto Guimarães comemora com Dani Lins o título brasileiro. Foto: ReutersA líbero Fabizinha foi uma das mais emocionadas após o título brasileiro. Foto: Getty ImagesJá com a bandeira na quadra, brasileiras comemoram o bicampeonato olímpico. Foto: Getty ImagesFabi e Thaisa se abraçam na comemoração pelo ouro. Foto: ReutersBrasileiras celebram a vitória com atuação de gala a partir do segundo set. Foto: ReutersFernanda Garay, no centro, fez o ponto do bicampeonato olímpico do Brasil. Foto: ReutersBrasileiras comemoram o bi depois do ponto de Fernanda Garay que fechou o quarto set. Foto: Getty ImagesNo quarto set, os Estados Unidos não riveram chance contra o ataque brasileiro. Foto: ReutersO técnico José Roberto Guimarães orienta o time brasileiro contra os Estados Unidos. Foto: ReutersDepois de um massacre americano no primeiro set, o Brasil virou e venceu por 3 a 1 com grande atuação. Foto: Getty ImagesFernanda Garay e Fabiana soltam o grito na comemoração de mais um ponto. Foto: Getty ImagesJaqueline comemora ponto no quarto set, dominado pelo Brasil. Foto: Getty ImagesNo quarto set, Thaisa mostrou concentração antes do saque das americanas. Foto: ReutersJaqueline e Fernanda Garay comemoram mais um ponto brasileiro. Foto: ReutersDani Lins e Fabi fazem "defesa dupla" no terceiro set, quando o Brasil virou o jogo. Foto: ReutersDani Lins, Sheilla e Fernanda Garay comemoram ponto do Brasil. Foto: ReutersAmericanas comemoram ponto no terceiro set, vencido pelo Brasil. Foto: Getty ImagesJaqueline e Fabi comemoram ponto no segundo set, vencido pelo Brasil. Foto: ReutersJaqueline se estica para defender ataque dos Estados Unidos. Foto: ReutersFernanda Garay ataca o bloqueio americano para fazer mais um ponto para o Brasil. Foto: ReutersNa segunda parcial o Brasil voltou muito melhor e dominou desde o começo. Foto: Getty ImagesBrasileiras saíram de quadra cabisbaixas depois da derrota por 25 a 11 no primeiro set. Foto: ReutersBloqueio brasileiro foi pouco eficiente no primeiro set. Foto: Getty ImagesBrasileira Thaisa saca no primeiro set, vencido com facilidade pelas americanas. Foto: Getty ImagesDestinee Hooker, dos EUA, vibra muito com ponto contra o Brasil. Foto: ReutersLogan Tom, dos Estados Unidos, ataca contra o bloqueio brasileiro. Foto: ReutersFinal do vôlei feminino - Brasil x EUA. Foto: Getty Images

É o terceiro ouro olímpico do técnico José Roberto Guimarães, que já havia vencido em Barcelona 1992 (com os homens) e em Pequim 2008 (com as mulheres). Com isso, ele passa a ser o único brasileiro com três campanhas vitoriosas na história da competição.

"As dificuldades só fizeram o grupo crescer. Só tenho de agradecer a todo mundo e pedir desculpa pela angústia que fizemos vocês passarem. Eu gostaria de ser um grande escritor para poder escrever essa história", disse Guimarães à TV Record. "Sabíamos que tinhamos a chance de vencer. Agradeço a equipe por acreditar, porque os EUA eram o melhor time e favorito", comentou ainda o técnico em entrevista coletiva em Londres. 

Veja um infográfico sobre o aniversário de 20 anos do ouro de Barcelona 1992

A medalha de ouro deste sábado é a terceira do Brasil em Londres 2012, depois das vitórias de Sarah Menezes (judô) e Arthur Zanetti (ginástica artística). O país já igualou o número de êxitos de Pequim 2008, mas o significado da vitória deste sábado é muito maior do que isso.

Leia mais: Brasil atropela Itália e vai à decisão no vôlei masculino

Getty Images
Com 18 pontos, Jaqueline foi a maior pontuadora do Brasil na decisão dos Jogos Olímpicos de 2012

Quando os Jogos Olímpicos começaram, a despeito de defenderem o título, as brasileiras do vôlei estavam depreciadas. O time vinha abalado por campanhas ruins, problemas internos e polêmicas nos últimos cortes. As dúvidas ficaram ainda maiores depois da primeira fase, quando as sul-americanas sofreram para bater a Turquia, perderam para Estados Unidos e Coreia do Sul e se classificaram apenas na rodada derradeira.

E ainda: Com bronze no feminino, Japão volta ao pódio do vôlei após 28 anos

O Brasil voltou a ser adabalado nas quartas de final, quando jogou contra a Rússia. As europeias tiveram seis chances de finalizar o duelo, mas as sul-americanas salvaram os match points, recuperaram a força e venceram no set de desempate.

Acompanhe: Fora da decisão olímpica, Leandro Vissotto enaltece substituto

Neste sábado, as suspeitas sobre o time nacional foram revigoradas. Desde o início, Brasil e Estados Unidos mostraram eficiência em fundamentos como bloqueio e defesa. A diferença é que as sul-americanas, tensas e sem confiança, erravam demais no ataque.

Veja ainda: No futebol, Brasil toma gol mais rápido da história das Olimpíadas e fica com a prata

O aproveitamento extremamente baixo das brasileiras ofereceu aos Estados Unidos a vantagem no placar no primeiro set. A bola não caía em um dos lados da quadra, e isso foi transformando a parcial em um total atropelo. As norte-americanas fecharam o primeiro set em absurdos 25 a 11.

Leia também: Após erro em gol sofrido e discussão com Juan, lateral Rafael é vaiado ao receber medalha

Parecia que a distância entre os dois times estava estabelecida. Então, tudo mudou. O Brasil continuou eficiente na defesa durante as parciais seguintes, mas Dani Lins começou a distribuir melhor a bola. E as atacantes, que até então estavam sem confiança, passaram a virar.

Getty Images
Fabiana marcou sete pontos de bloqueio na decisão

"A gente resgatou a força, e a gente não saiu do buraco à toa. Depois do primeiro set a gente lembrou de tudo que aconteceu e falou que era hora de voltar a lutar. O time do início das Olimpíadas não existia mais", comentou a líbero Fabi ao canal Sportv.

Confira: Brasil tenta igualar feito da URSS no vôlei olímpico

"No primeiro set, os EUA passaram por cima da gente., não tomou conhecimento. A partir do segundo set, passamos a jogar melhor, nosso contra-ataque começou a superar o bloqueio delas, taticamente melhoramos de uma forma geral", disse Zé Roberto na coletiva após o jogo. 

Inicialmente, a mudança de postura do ataque brasileiro equilibrou o duelo. Depois, fez com que a superioridade e a falta de confiança mudassem de lado. As norte-americanas passaram a errar mais, e as brasileiras fecharam os sets seguintes com vitória (25/17 e 25/20).

Veja: Após bronze, Juliana e Larissa desfilam em carro aberto no Brasil

Um dado que ilustra a mudança de postura da seleção brasileira é a quantidade de erros. O time de José Roberto Guimarães entregou seis pontos às norte-americanas apenas no primeiro set, mas cometeu apenas dez falhas em todo o restante do confronto.

Leia: Emanuel admite que as Olimpíadas de 2016 estão fora dos planos

As norte-americanas, soberanas no primeiro set, pararam de acertar. Contra um saque taticamente bem colocado, a seleção dos Estados Unidos não conseguiu imprimir velocidade e apostou em muitas bolas altas, mas não virava nem com Destinee Hooker, que até a decisão era a maior pontuadora do torneio olímpico.

Acompanhe muito mais sobre os Jogos no blog Espírito Olímpico

Essa diferença no aspecto emocional começou a abrir espaços na quadra para as brasileiras. Se no primeiro set o time de José Roberto Guimarães apostou em ataques fortes e teve dificuldade para colocar a bola no chão, nas parciais seguintes as atletas sul-americanas ganharam confiança para largadas, cortadas colocadas e até virada de segunda da levantadora Dani Lins.

E muito mais sobre a modalidade no blog Mundo do vôlei

No quarto set, quando perdia por 19 a 11, a seleção dos Estados Unidos chegou a iniciar uma reação e anotou três pontos consecutivos. Contudo, o Brasil conseguiu controlar a parte emocional, voltou a defender muito e retomou o controle da partida. Com vitória por 25 a 17 na última parcial, o ouro estava assegurado.

"O Brasil foi muito agressivo o tempo todo. Com honestidade, jogaram muito melhor do que nós. Não conseguimos dar as respostas necessárias, mas estou orgulhoso pelo que elas fizeram hoje [sábado]", declarou o técnico dos Estados Unidos, Hugh McCutcheon.

"Estou muito orgulhoso com o que fizemos, foi uma Olimpíada muito complicada, mas após o jogo com a Coreia demos a volta por cima", resumiu o técnico do Brasil. 

Leia tudo sobre: VôleiBrasilEstados UnidosEUAJosé Roberto GuimarãesLondres 2012

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG