Foco em 2016 limitou meta de medalhas do Brasil para Londres

COB pretende apenas repetir número de 15 pódios obtido em Pequim. Com mais recursos em 2016, país planeja dar salto

Raphael Gomide e Vicente Seda, iG Rio de Janeiro |

AE
Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB, disse que preparação para as Olimpíadas de Londres é a melhor da história

O foco do Brasil em sediar as Olimpíadas de 2016 acabou limitando a preparação dos atletas do Brasil para os Jogos Olímpicos de Londres , por falta de tempo, admitiu o superintendente executivo de Esporte do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), Marcus Vinicius Freire. A meta é repetir as 15 medalhas obtidas em Pequim 2008 – três de ouro –, sem especificar se serão de ouro, prata ou bronze.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Segundo ele, o foco do COB na conquista da sede dos Jogos de 2016, durante o atual ciclo olímpico, acabou atrasando a preparação das equipes e a reunião de esforços para Londres.

“Pretendemos repetir (em Londres) o número de medalhas de Beijing (15). Faltou tempo. Tivemos duas mudanças gigantes no esporte nacional: o Pan 2007 e vitória de outubro de 2009 para trazer jogos para cá. O grupo demorou a se juntar”, afirmou, em entrevista no COB, na manhã desta quarta-feira (28).

Leia também:  COB libera uso de marcas esportivas pelas confederações em Londres

Sobraram menos de três anos, prazo muito inferior aos oito a dez anos que Marcus Vinícius explicou serem necessários para se forjar um atleta olímpico de alto nível. “Tivemos a virada de investimento e de apoio quando ganhamos em 2009, três anos atrás. Por isso, nossa meta será parecida para Londres, com uma delegação de atletas que já estavam aí”, disse o executivo do COB.

De acordo com Marcus Vinícius, só no Rio em 2016, o Brasil deve dar um salto em número de medalhas, dobrando a previsão e chegando ao grupo dos dez primeiros países. 

Veja ainda:  Jogadoras de vôlei de praia poderão usar shorts em Londres-2012

“A meta de 2016 é dobrar número de medalhas. Aí teremos tempo, financiamento, apoio das federações internacionais e apoio da iniciativa privada. Estamos indo atrás de projetos para que consigamos esse resultado”, afirmou. “Para 2016, é uma nova geração, com sete anos, o mínimo que se precisa para isso. Temos de ganhar mais medalhas onde já ganhamos e gerar novas medalhas. Seis ou sete novas modalidades. O atleta de 16 já está por aí, já é campeão sub-16, sub-19, é uma preocupação que temos, olhar o perfil e apostar”, disse.

O Brasil deve levar cerca de 250 atletas – atualmente são 165 classificados – em 40 modalidades para Londres. Apesar da previsão não tão otimista de medalhas, o COB considera que esta é a melhor preparação de uma delegação brasileira na História dos Jogos.

E mais:  Magnano admite possibilidade de convocar Leandrinho e Nenê

Os atletas vão contar com um centro de treinamento exclusivo, o Crystal Palace, com alojamentos e áreas de prática esportiva de alto nível, além da aclimatação em 12 países diferentes, de acordo com o esporte. “É a melhor preparação da História, mas é uma evolução constante. O Crystal Palace é o melhor centro de treinamento de Londres, e o comitê organizador nos ajudou por sermos a sede de 2016. Vai facilitar o trabalho para todos”, afirmou Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB.

Veja a lista dos atletas brasileiros já classificados para Londres-2012

Com essa estrutura à disposição, equipes brasileiras terão a chance de treinar nos horários que quiserem e com privacidade, sem depender da organização dos Jogos nem ter de dividir as instalações com atletas estrangeiros, que poderiam assistir aos seus treinos. "A área será de exclusividade do Brasil, para treinar na hora que escolher. (Os organizadores) Dão 1h por dia. E os técnicos do vôlei, por exemplo, querem treinar, 5h, 6h, sem que as equipes que chegam antes e depois vejam. Na parte exclusiva, isso não vai acontecer", disse Marcus Vinícius. Segundo ele, apenas cinco países contarão com estrutura semelhante em Londres.

Confira também: Fabiana Beltrame comemora vaga a Londres

O COB também já reservou quartos em hotéis próximos a locais de competição, para permitir aos atletas que descansem, façam fisioterapia e vejam vídeos de adversários nos intervalos de suas provas – no caso das lutas, o hotel ficará a 100 metros do local das disputas.

Os competidores brasileiros poderão ir para os hotéis na véspera, para sair do clima de festa da Vila Olímpica, ter a chance de se concentrar e estar próximo ao local de competições 

    Leia tudo sobre: brasillondres 2012rio 2016

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG